Chegou a hora dos ecossistemas de partilha

Um estudo da Accenture conclui que 84% dos líderes empresariais a nível global concordam que a criação de ecossistemas – com partilha de dados, clientes, tecnologia e conhecimento do sector entre empresas – é fundamental para as suas estratégias. Capacitados pelas plataformas digitais, os ecossistemas vão permitir desbloquear 100 biliões de dólares em valor para o negócio e para a sociedade na próxima década.

Os novos ecossistemas são fundamentais para aumentar a agilidade competitiva das organizações. É fundamental uma nova abordagem estratégica, que permita aos negócios serem bem-sucedidos, já que apenas 1/4 dos líderes empresariais a nível global estão confiantes em alcançar os objectivos de crescimento para 2020 e 56% admitem estar preocupados com o elevado risco de disrupção das actuais estratégias de crescimento.

O estudo da Accenture, Strategy ‘Cornerstone of Future Growth: Ecosystems’, inquiriu mais de 1250 líderes empresariais de diferentes indústrias em todo o mundo, ao longo do primeiro trimestre de 2018, para perceber de que forma é que as empresas estão a criar vantagem competitiva através de modelos de negócio mais ágeis. O estudo revelou que as organizações dos sectores das telecomunicações, banca e utilities são as que têm mais capacidades para capitalizar oportunidades de ecossistemas.

«No actual mercado competitivo, as empresas já não conseguem criar um crescimento sustentável sozinhas. É necessária a ajuda de parceiros e constituir ecossistemas de forma a inovar e criar novas propostas, expandir a sua base de clientes e entrar em novos mercados», afirma Pedro Galhardas, Managing director da Accenture Strategy em Portugal. «A mais-valia dos ecossistemas é que nenhuma empresa possui ou opera todas as componentes de uma solução, gerando muito mais valor em conjunto do que cada player a nível individual, sendo o risco distribuído de igual forma.»

Capacitados pelas plataformas digitais, os ecossistemas vão permitir desbloquear 100 biliões de dólares em valor para o negócio e para a sociedade durante a próxima década. O estudo da Accenture Strategy sugere que, para capitalizarem esta oportunidade, as empresas estão a formar ecossistemas para potenciar inovação (63%), aumentar o crescimento de receitas (58%), entrar em novos mercados (55%) e ganhar novos clientes (55%). Hoje em dia, quase metade (46%) dos executivos procura activamente parceiros e outros 77% acreditam que, nos próximos cinco anos, mais de metade das receitas das suas organizações será gerada através de ecossistemas.

«Devido à crescente pressão do mercado, é provável que vejamos mais empresas, em particular aquelas que, tradicionalmente, têm sido concorrentes, a unirem forças para gerar novo crescimento e alcançar uma agilidade competitiva. As parcerias entre concorrentes continuarão a crescer, tendo algumas delas já revolucionado mercados e indústrias por todo o mundo», defende Pedro Galhardas. «Os clientes vão beneficiar dos novos produtos e serviços criados, e as organizações irão procurar novos modelos de negócio para capitalizar as mudanças do mercado.»

Os líderes empresariais afirmam que alguns dos maiores desafios que enfrentam na construção de ecossistemas passam por se sentirem confortáveis em ceder o controlo – 44% dos inquiridos estão preocupados com a partilha dos activos e sigilos da empresa com outras organizações – e mais de 1/3 (37%) assumem ser desafiante equilibrar as actuais responsabilidades do negócio, enquanto se exploram novas oportunidades.

in Revista Risco nº 10 (Outono de 2018)

Ler Mais
Notícias relacionadas
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Volvo vai lançar um carro eléctrico por ano
Automonitor
Já viu o novo ultracompacto 100% elétrico da Toyota?