EUA colocam 28 instituições chinesas na “lista negra” das exportações

Alegada violação dos direitos humanos na China foi o motivo apontado pelo governo americano.

A escassos três dias de nova ronda de negociações para pôr fim a uma guerra comercial que dura há um ano e meio, os Estados Unidos colocaram 28 empresas chinesas na sua lista negra, oito delas tecnológicas que se juntam assim à Huawei.

De acordo com o ‘Financial Times’, os EUA impediram estas empresas de adquirirem produtos “Made in USA” devido a alegados abusos de direitos humanos a minorias muçulmanas na província de Xinjiang.

O secretário do Comércio norte-americano informou que além das oito empresas de tecnologias de inteligência artificial, a lista inclui 20 instituições governamentais, numa medida que obriga as empresas norte-americanas a requerer uma licença especial para continuarem a vender os seus produtos às entidades visadas.

Para o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, citado pelo ‘Financial Times’, os EUA estão a utilizar a alegada violação dos direitos humanos na região de Xinjiang como desculpa para interferirem nos assuntos internos da China, mas ainda assim considera «importante encontrar uma solução» para a guerra comercial.

De acordo com um think tank chinês, «é normal os EUA aplicarem uma pressão extrema pouco antes das negociações comerciais».

Entretanto, alguns analistas especulam que o governo chinês poderá colocar empresas tecnológicas americanas na sua própria versão da lista negra das exportações.

Ler Mais
Notícias relacionadas
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Volvo vai lançar um carro eléctrico por ano
Automonitor
Já viu o novo ultracompacto 100% elétrico da Toyota?