Nem reunião nem quotas de produção. OPEP deixa mercados em suspenso sem decisões

As discrepâncias persistem, com a Arábia Saudita e a Rússia a pressionar os outros parceiros para que cumpram quotas.

As diferenças entre os países da OPEP + (Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados, incluindo a Rússia) forçaram a adiar a reunião telemática que tudo indicava que ia ser antecipada para esta quinta-feira.

As discrepâncias persistem, com a Arábia Saudita e a Rússia a pressionar os outros parceiros para que cumpram quotas, pretendendo também que sejam estendidos os cortes aprovados em abril por pelo menos mais um mês. O petróleo sofreu de imediato consequências do impacto e o Brent caiu abaixo dos 40 dólares.

Na ausência de um acordo, segundo a ‘Reuters’, as partes estão a tentar marcar a reunião para esta semana mas alguns media dão conta de que poderá ser apenas para meados do mês.

A Arábia Saudita, líder da OPEP, e a Rússia, líder dos parceiros aderentes à chamada OPEP +, redobraram a pressão sobre países como o Iraque para cumprir escrupulosamente as quotas estabelecidas nos cortes de abril, o que veio intensificar o clima de discórdia.

A Arábia Saudita e a Rússia concordaram em expandir os cortes recordes de produção aprovados em abril em julho, fixados em 9,7 milhões de barris por dia, cerca de 10% da produção pré-crise desencadeada pelo coronavírus.

Grande parte do mercado previa uma extensão mais duradoura dos cortes atuais, até 1 de setembro. Mas a relutância dos diferentes países da OPEP em manter a magnitude dos cortes atuais, na esperança de que uma súbita recuperação da procura equilibre o mercado, dificulta as opções de um acordo e coloca a possibilidade na mesa que os parceiros podem aumentar sua produção a partir do mês de julho .

A ausência de um novo pacto significaria retornar ao acordo aprovado em abril, que estabeleceu que a partir de julho os cortes poderiam ser limitados a 9,7 a 7,7 milhões de barris por dia.

O aumento da oferta poderá ser mais pronunciado se for confirmado que países como Arábia Saudita, Kuwait e Emirados Árabes Unidos não planeiam estender os seus cortes adicionais de produção voluntários, estimados em 1,18 milhão de barris, após o final de junho.

Apenas um acordo de última hora, poderá fazer com que a produção da OPEP + aumente a partir de julho em mais de três milhões de barris por dia.

A falta de um acordo da OPEP + ocorre um dia depois que os stocks semanais de petróleo dos EUA registarem um aumento de 9,9 milhões de barris em stocks destilados, cerca de quatro vezes mais do que o esperado por analistas.

Ler Mais
Notícias relacionadas
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Eventos digitais: tendências, vantagens e preocupações
Automonitor
Covid-19: SEAT doa 100 mil euros para projeto #YoMeCorono