Produção nacional de cereais no mínimo do século. E a Covid-19 só veio agravar

Atualmente, Portugal não só está a cultivar cada vez menos cereais como enfrenta dificuldades pesadas na logística de transportes, por causa da pandemia da Covid-19.

Atendendo a que só prduz 85% dos bens que precisa, Portugal continua dependente de outros países para se alimentar.  Apesar dos níveis de autoaprovisionamento terem melhorado em produtos como a fruta ou a carne – e noutros apresentar ainda um excedente, casos do leite e do azeite -, “o acesso a algumas matérias-primas oriundas do exterior para equilibrar a balança comercial alimentar é absolutamente crítico, sobretudo no domínio dos cereais”, noticia o Expresso.

No que diz respeito ao trigo panificável a dependência é quase total, segundo dados do Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral (GPP), do Ministério da Agricultura.

Segundo o mais recente estudo do ministério da Agricultura, intitulado “Plano de Medidas Excecionais para o Sector Agroalimentar no Quadro da Pandemia Covid-19”, a superfície semeada dos principais cereais diminuiu pelo sétimo ano consecutivo, passando para 106 mil hectares, a menor área cultivada dos últimos cem anos.

Registam-se reduções generalizadas no trigo duro (menos 15%), no triticale e na cevada (menos 10%) no trigo mole e na aveia ( menos 5%).

Este documento vem confirmar, de acordo com as confederações de agricultores, que é bastante provável que a produção de cereais, principalmente os de primavera/verão, venha a estar comprometida, reflexo de constrangimentos na obtenção de sementes e de fatores de produção.

E é precisamente de um dos países mais afetados pela pandemia, a Itália, que Portugal importa algumas sementes de arroz e tomate que, por enquanto – e apesar da crise sanitária que atinge aquele país –, continuam a chegar.

Ainda sobre os cereais, o grau de autoaprovisionamento nacional está agora nos 4% e, nas últimas campanhas, Portugal importou, em média, cerca de 1,2 milhões de toneladas, das quais 96% com origem na União Europeia (com a França a representar cerca de 50% do total). De referir que, recentemente, a Bulgária e a Roménia começaram a ocupar um lugar cada vez mais importante nas importações daquele produto.

Para já, e apesar de não haver ainda rutura de stocks, “as pequenas indústrias de moagem podem vir a ter dificuldades de aprovisionamento de matéria-prima, quer por questões de problemas de logística, quer por eventual aumento dos preços”, alerta o Ministério da Agricultura.

No contexto atual de restrições à circulação praticamente em todos os países europeus, a questão da logística (sobretudo o transporte) é absolutamente crucial, segundo Eduardo Diniz, do Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral.

Segundo este responsável, para já, não se corre o risco de alguns países exportadores de bens e matérias-primas alimentares começarem a reter alguns stocks para lá do que é normal, “pois os produtores também precisam de vender para fora, até por questões de equilíbrio das suas próprias tesourarias”.

Ler Mais
Notícias relacionadas
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Directora de Marketing da TAP: «As companhias vão ajustar-se. Não tenho dúvidas»
Automonitor
VLV: O primeiro Peugeot elétrico que se estreou em… 1941