Riscos de exportação e internacionalização

Cada mercado externo acarreta uma variedade de riscos, decorrentes de um ambiente económico, social, legal e regulatório e político específico.

Todas as empresas têm de definir uma política de gestão de risco que proteja os seus activos e a sustentabilidade da actividade, qualquer que seja a sua dimensão ou âmbito geográfico. O estudo dos vários riscos a que uma empresa se encontra exposta deverá fazer parte da sua estratégia, antecedendo, por exemplo, a decisão de iniciar um possível processo de investimento, exportação ou internacionalização.
No caso das empresas exportadoras e internacionalizadas, a complexidade da análise é acrescida e deverá ser acautelada uma política transversal a todos os mercados – coerente, centralizada e controlada. No entanto, cada mercado acarreta novos desafios, decorrentes de um ambiente económico, social, legal e regulatório e político específico.
As empresas exportadoras enfrentam riscos de fluxo de pagamentos, crédito, cambial, responsabilidade civil, produto, riscos associados às viagens efectuadas pelos colaboradores, continuidade de negócio, entrega de produtos, cyber risks e defesa da marca, entre outros.
No caso das empresas internacionalizadas, o nível de investimento em activos pessoais e patrimoniais é maior, acrescendo ao nível de risco que enfrentam, devido a uma diversidade de factores e ao aumento da exposição face aos mesmos.
Para além de todos estes factores, existem desafios e constrangimentos colocados pelo próprio sector segurador local. Uma empresa que actue em África pode não conseguir assegurar uma protecção semelhante à que tem em Portugal. Os montantes segurados podem ser uma percentagem do valor real dos bens, em virtude da falta de capacidade do mercado ou de constrangimentos legais, uma lacuna que poderá ser colmatada por uma apólice de grupo ou um programa de seguros global. Este tipo de programas permite homogeneizar a protecção dos riscos, optimizar os custos globais e aceder a melhores coberturas e condições.
Os mercados externos podem apresentar muitas oportunidades de negócio, no entanto, a salvaguarda dos bens das empresas exportadoras e internacionalizadas e da sua reputação terá de ser assegurada, sob pena de ameaçar a continuidade da sua actividade.
A consultoria de riscos e a contratação de seguros são fundamentais para assegurar o desenvolvimento sustentável do negócio. Consultores como a MDS, com acesso a informação detalhada e actualizada sobre cada mercado e know-how, podem ajudar as empresas a minimizar riscos, delinear estratégias e potenciar rendimentos, através de uma correcta definição da política de gestão de risco.

Artigo publicado na revista Risco n.º 7 de Inverno de 2017/2018.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Sporting CP: partilhar é o maior presente de todos
Automonitor
Renault lamenta morte do pai dos Dacia Kwid, Sandero e Logan