Saiba como poupar nas comissões bancárias

Muitas vezes nem nos apercebemos, mas os nossos produtos bancários estão permeados de comissões.

Os custos bancários, só em comissões de manutenção do depósito à ordem, podem ascender a mais de 5 euros mensais nalguns bancos.

No entanto, estes gastos não são “inescapáveis”. Há formas de dar a volta e de poupar um bom montante neste género de comissões bancárias. E às vezes passa por estratégias tão simples quanto usar diferentes canais para as operações bancárias, adquirir um cartão de crédito ou simplesmente mudar de conta ou de banco. O Comparajá.pt dá-lhe seis dicas para entrar em Novembro a poupar em custos bancários.


Domiciliar o ordenado
A maior parte dos bancos procura fazer com que os clientes domiciliem o seu ordenado, pensão ou outro rendimento fixo no banco. Para o concretizar, oferecem vantagens substanciais na forma de corte nos custos bancários, tais como comissões de manutenção de conta. O melhor mesmo é discuti-las com o seu gestor de conta.

 

Mudar de conta ou de banco
O que não falta por aí são ofertas em termos de contas bancárias. Se não estiver satisfeito com os custos bancários resultantes da sua conta, a opção pode sempre passar por mudar. E mesmo dentro da sua instituição é possível que esteja a usar uma conta e a pagar demasiado por ela. Ou seja, provavelmente – mesmo dentro do seu banco – haverá outras contas com comissões mais reduzidas. O que é preciso é informar-se.

Além disso, há um tipo de contas standard transversal à maioria dos bancos, que cobra uma comissão reduzida. É a chamada conta de serviços mínimos bancários. Em termos de custos, a mesma não pode ultrapassar, anualmente, 1% do salário mínimo nacional.

A mesma disponibiliza um cartão de débito, permite acesso às movimentações da conta via homebanking, caixas automáticas e outras e, claro, permite realizar depósitos, levantamentos, pagamentos, débitos diretos e transferências intrabancárias nacionais sem restrições quanto ao número.

 

Cartão de crédito
A contratação de um cartão de crédito junto de uma determinada instituição pode levar a bonificações em comissões, nomeadamente na comissão de manutenção de depósito à ordem.

Contudo, o cartão de crédito em si tem alguns custos, nomeadamente em termos da taxa de juro cobrada e da sua anuidade. O melhor mesmo é ver a oferta do mercado que mais se adapta às suas necessidades.


Consolidar os custos bancários
Quantos e quantos portugueses não tem mais do que uma conta bancária que raramente usam? Às vezes até são contas de que pouco se dá conta. Mas por não se dar por elas, não significa que não estejam a “sorver” dinheiro. O melhor mesmo é fazer um inventário de todas as contas que se tem e, se possível, fechar as restantes e concentrar tudo numa só. Acabando-se com a duplicação de custos, faz-se meio caminho para atingir poupanças substanciais.

 

Multibanco ou Homebanking
A verdade é que os custos bancários, nomeadamente ao nível de operações com transferências, são nulos ou substancialmente reduzidos quando feitos pelo Multibanco ou via Internet. É evidente a razão para tal acontecer: através destes métodos, as instituições evitam todos os custos inerentes ao balcão, pelo que podem praticar preços mais baixos. E no caso específico do Multibanco, a verdade é que as taxas cobradas por transferências bancárias são mesmo inexistentes.

 

Ser jovem
Os bancos querem sempre atrair novos clientes e isso significa fidelizar as faixas etárias mais jovens. Daí que ofereçam contas específicas para os mesmos com custos bancários substancialmente reduzidos ou isenção da comissão de manutenção.

 

Risco com Comparajá.pt

Ler Mais
Notícias relacionadas
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Sporting CP: partilhar é o maior presente de todos
Automonitor
Renault lamenta morte do pai dos Dacia Kwid, Sandero e Logan