Vem aí a ‘pior’ crise financeira desde 1929? O peso de uma recessão global

A pandemia do coronavírus está a ditar revisões nas previsões que já antecipam a ‘pior’ crise financeira desde 1929 e um cenário iminente de recessão global.

Os mercados financeiros estão a enfrentar a pior crise desde 1929, disse Stephen Isaacs, da Alvine Capital, à CNBC,  numa altura em que os principais economistas do mundo reviram em baixa as suas previsões e apontam para uma recessão global iminente .

Embora os mercados em toda a Europa, EUA e Ásia estejam, ainda assim, a aguardar uma recuperação dos resultados, o analista Stephen Isaacs defende que a crise do coronavírus “não tem precedentes”, comparando mesmo com outros momentos em que já foram batidos níveis recordes de alavancagem.

“Chegámos a este ponto, com todos os tipos de problemas escondidos e num momento de de alta para os mercados, o que novamente me leva a ficar extremamente preocupado com o fato de as vendas estarem a diminuir e ainda estamos olhando, infelizmente, para uma situação que vai ficar muito, muito difícil. ”, disse o presidente da Alvine Capital Management.

Para Isaacs, a Grande Depressão de 1929 é a comparação mais aproximada deste momento de queda dos mercados. Após o ‘crash’ da bolsa de 29 de outubro de 1929, o S&P 500 caiu 86% em menos de três anos e não recuperou o pico anterior até 1954.

“Esta é uma situação sem precedentes, pior que 2008, pior que 1987, essa é a pior crise que atingiu os mercados financeiros desde a Grande Depressão”, reforçou o especialista.

Rumo à recessão
O IHS Markit reviu, na passada quarta-feira, a sua previsão de crescimento real do PIB em 2020 para 0,7%, à medida que o impacto económico da crise se torna mais evidente. Um crescimento abaixo de 2,0% é classificado como uma recessão global.

Na Previsão Económica Global de março, o economista-chefe da IHS Markit, Nariman Behravesh, e a diretora executiva de economia global Sara Johnson projetaram que o Japão já está em recessão, enquanto os EUA e a Europa seguirão no segundo trimestre.

Prevê-se agora que o PIB dos EUA caia 0,2%, a área do euro 1,5% e o Japão 0,8%, enquanto a China, onde o vírus se originou, deve diminuir o crescimento de 6,1% para 3,9%.

“No entanto, o resultado será um ciclo em forma de U em vez de em V, pois uma redução acentuada no crescimento a curto prazo é seguida por uma recuperação lenta. Os riscos de previsão são predominantemente negativos e dependem crucialmente de como os governos respondem”, aponta o relatório da IHS Markit.

Os bancos centrais e os governos das principais economias implementaram significativos pacotes de estímulos fiscais e monetários nas últimas semanas, na esperança de atenuar a inevitável turbulência económica que se instalou por todo o mundo.

.

Ler Mais
Notícias relacionadas
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Eventos digitais: tendências, vantagens e preocupações
Automonitor
Covid-19: SEAT doa 100 mil euros para projeto #YoMeCorono